Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ÂNCORA DE PAPEL

ÂNCORA DE PAPEL

Tarefas inadiáveis

O tempo passa e vamo-nos tornando cada vez menos atentos ao que nos rodeia e, sobretudo, a quem nos rodeia. Por culpa de quem? Acredito que, em grande parte, do ritmo de vida que levamos, onde as obrigações e responsabilidades nos sugam o tempo, a atenção, a criatividade, a sensibilidade. A par desta azáfama em que vivemos, somam-se as tarefas para realizar nos amanhãs, iludidos num amanhã que pode não chegar, ignorando a noção de finitude que tem a vida. 

Cada pessoa tem a sua vida e os seus planos mas posso afirmar, sem sobre de dúvida, que se tudo acabasse no próximo minuto, ficava muita coisa por cumprir.

Então, pense comigo:

 

- O que quer fazer que há muito anda a adiar?

- Com quem não está há muito tempo e gostava de encontrar?

- A quem quer dar um abraço?

- A quem gostava de dar um beijo?

- Há quanto tempo espera pela altura ideal para tomar aquela decisão?

- Com quem gostava de passar um bom momento?

- Quantos obrigados é que deve?

- A quem deve um pedido de desculpas?

- Com quem precisa de ter uma conversa séria?

- Há quanto tempo adia aquele encontro?

- De que sorriso tem saudades?

 

Isto são apenas algumas das muitas questões que deveríamos fazer com regularidade, não para diminuir a lista de tarefas pendentes, mas para vivermos enquanto temos essa oportunidade, com tudo aquilo a que temos direito. 

Fragmentos

Durante muito tempo fui alguém que se preocupava somente com o futuro. Pensava só no amanhã, de como e quando chegaria, o que me iria trazer, onde iria estar, como me iria sentir. Vivia desmesuradamente uma realidade que não é possível viver porque nada mais temos do que aquilo que somos a cada segundo. Com o tempo, e desiludido por esperar por um amanhã que nunca chegava como ansiava, fui aprendendo a viver o presente, a aceitar o passado e a ter esperança no futuro, mas um futuro que acredito que me trará coisas boas para viver e sentir, e não como uma realidade para onde quero dar o salto neste momento. Aprendi, na minha ótica da coisa, a viver o momento. E porquê na minha ótica? Porque acredito que hoje em dia se vive essa ideia de uma forma exagerada. Olho à volta e as pessoas querem viver o momento, mas como se não houvesse amanhã. Querem viver tudo hoje, experienciar tudo e mais alguma coisa, viver no limite, tudo porque a grande máxima é “só temos esta vida. Se não viver agora, já não vivo”. Não tenho nada contra essa ideia de vivermos as coisas intensamente porque, de facto, só temos esta vida e não sabemos quando acaba. Porém, acho que é tudo muito desmedido. Eu posso viver o momento, entregar-me a ele e tirar tudo o que ele tem de bom, se o momento me disser algo, se me acrescentar alguma coisa, se me fizer feliz, se me preencher. Esta é a minha ótica, e não viver o momento como seres autómatos, que apenas estão ali e vão atrás de tudo o que lhes surge “porque é o momento”.

Acredito que nos devemos conhecer, saber o que somos, o que queremos e o que valorizamos para, aí sim, viver os momentos ao máximo, mas apenas aqueles que nos fazem sentido, que vão de encontro à nossa pessoa, aos nossos objetivos, porque depois de todos os momentos, é connosco que ficamos, quando tudo se apaga e tudo à nossa volta vira silêncio. E depois? Como nos vamos sentir se fizermos algo de forma inconsequente, inconsistente com os nossos valores?

Acredito que vivo o momento, mas para a minha vida ser um conjunto de momentos especiais, onde me revejo e fico confortável com isso, e não um conjunto de momentos fragmentados, que substância alguma me acrescentam. Vivo os momentos para ter história e não para ter momentos. 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D