Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Âncora de papel

by Miguel Oliveira

A fórmula da traição

01.07.19, Miguel Oliveira
Um artigo recente, focado nas questões da infidelidade, revela que tanto em homens como em mulheres, as traições ocorrem por carência. É por estarmos carentes dentro da relação que vamos procurar fora aquilo que julgamos fazer-nos falta.  Assim, e se for possível escrever uma tal fórmula, será esta a fórmula da traição:   (- eu) + (- tu) + (- nós) = carência   E aqui se encerra muita informação. Não nos sentimos carentes só pelo que o outro não nos dá (ou não (...)

Abraço: o toque de alma

22.05.19, Miguel Oliveira
Dizem que hoje se celebra o Dia do Abraço.  Gosto de abraços! Gosto muito de abraços! Gosto do contacto físico que eles implicam. É reconfortante, é carinhoso, é especial. Tenho para mim que os abraços são dos gestos mais bonitos e mais verdadeiros que podem existir entre duas pessoas. Sente-se quando é sincero. Sente-se quando é dado com verdade, com alma. Há abraços para todos os gostos: abraços de amigos, de familiares, de amantes; há abraços de festejo e de (...)

Amar alguém é um show de strip

21.05.19, Miguel Oliveira
Quando conhecemos alguém, conhecemos uma pessoa totalmente vestida, tão protegida e agasalhada como os adeptos dos desportos de inverno. São casacos, luvas, gorros, óculos, meias grossas, botas e muita roupa. Chegam até nós com estas camadas e com a sua bagagem.  Com o passar do tempo, a confiança vai-se instalando. Começam por pousar a mochila, carregada de recursos e memórias. Num ambiente mais acolhedor, cedem-nos o casaco, as luvas, o gorro e as botas. Vamo-nos sentindo mais (...)

Só porque (não) faz sentido

18.05.19, Miguel Oliveira
Todos os dias nos cruzamos com muitas pessoas. Umas são-nos estranhas; outras conhecemos de vista; algumas fazem parte da nossa rede; outras já fizeram; e ainda há aquelas que, por algum motivo, num qualquer momento de um dia, começam a fazer parte das nossas interações. Por uma qualquer razão, começamos a interagir com alguém novo. Os motivos podem ser vários, do nosso lado ou do lado da outra pessoa. O que importa frisar é que uma qualquer interação começa com um sentido. (...)

O que é um "final feliz"?

07.05.19, Miguel Oliveira
Há dias, num programa matutino, falava-se de divórcio. Queria falar-se da tomada de decisão e do que é a vida pós-divórcio. Para uma das convidadas, a decisão tinha sido "horrível". Era o assumir de um "falhanço", era assumir que o projeto que se quer de uma vida tinha fracassado e que todos à sua volta iriam encarar uma "falhada", que não conseguira levar um projeto até ao fim. Lidar com a situação foi "doloroso". Em oposição, do outro lado da moeda estava alguém que (...)

Amor, uma arte abstrata

29.04.19, Miguel Oliveira
Há dias, falava com um amigo sobre relações e o impacto que uma relação que não foi aquilo que esperávamos pode ter em nós e na nossa capacidade de considerar futuros envolvimentos amorosos. A ideia de que nem tudo é cor de rosa, de que demos mais do que aquilo que recebemos e a destruição de sonhos vividos a dois são algumas das consequências de uma relação que "correu mal". Mas a consciência de que nem tudo é cor de rosa é bom. Ficamos cientes dos dois lados que (...)

Ao meu amor

27.04.19, Miguel Oliveira
Às vezes surges em conversa, sempre que se fala em histórias de amor e de paixões. És o maior e mais recente exemplo de uma história de amor, da minha história de amor. Satisfeita a curiosidade sobre a relação e o seu fim, surge sempre a inevitável pergunta: "Ainda se dão?". A minha resposta: "Claro! Somos grandes amigos. É o meu melhor amigo!". E como é que não poderias ser o meu melhor amigo? Ao longo da nossa relação, uma relação que se foi construindo com pezinhos de (...)

Opostos ou Iguais? Equilibrados!

24.04.19, Miguel Oliveira
Diz o povo que os opostos se atraem. Em certa medida até posso concordar, mas não me parece que o mesmo dito popular possa ser aplicado a uma relação duradoura. Porém, duas pessoas iguais também não me parece que seja a melhor combinação para uma relação se desenvolver e perdurar. Nem opostos nem iguais. O ideal? O equilíbrio!  Não podemos ter duas pessoas tão iguais que se fundam uma na outra, nem tão distantes que se percam no espaço que existe entre elas. Precisamos, (...)

Em flor

10.04.19, Miguel Oliveira
Imaginem duas flores, lado a lado. Uma foi plantada com um mês de diferença em relação à outra. Esse facto apenas lhe conferiu mais oportunidades de crescer e de se fortalecer. Apanhou sol, apanhou chuva, manteve-se firme nos dias de vento, procurou aguentar os dias de geada. Recebeu alimento e defesas. Cresceu. Desenvolveu-se. Ainda que com pouco tempo, foram 31 dias de desenvolvimento, 31 dias que acabam por fazer a diferença, 31 dias de bagagem. Agora imaginem que essas flores (...)

À distância de um toque

04.02.19, Miguel Oliveira
É incrível quando encontramos espelhado num livro algo em que acreditamos e da forma como pensamos, certo? Isto ganha ainda mais força e interesse quando as palavras são proferidas por alguém a quem atribuímos valor e conhecimento. Foi o que me aconteceu ao ler um capítulo sobre sexualidade no casamento, de um conceituado Professor.  A comunicação é algo inerente a nós, é o nosso veículo, a nossa forma de transmitirmos mensagens. Porém, na maior parte das vezes, usamos os (...)